10   Passos  para  Organizar  seu  Roteiro   para o Sudeste Asiático

Bem, na última postagem falamos sobre os 5 primeiros passos para organização de um roteiro personalizado para o Sudeste Asiático. Se você está chegando agora ao blog sugiro que leia primeiro a  Parte I e Parte II,  antes prosseguir com a leitura.

1- Tour Virtual

2- Quando ir

3- Quantos dias você tem?

4- Pré-requisitos

5- Qual seu roteiro ideal?

 

 

Hoje, na terceira e última parte sobre este tema,  vamos finalizar os 10 passos para que a sua viagem dos sonhos possa sair do papel e se tornar realidade.

6- Defina marcos

O “mapeamento” criado lá no quinto passo, provavelmente extrapola o tempo e o orçamento da maior parte dos nós, meros mortais viajantes. Por isso, é importante ter em mente aqueles pontos que você escolheu no primeiro passo (lugares imperdíveis – aqueles que fazem seu coração palpitar e que não podem ficar de fora do seu roteiro!) . Eles devem funcionar sempre como a linha mestra em torno da qual todo o roteiro será organizado, mas dessa fase em diante é necessário estabelecer  também outros marcos que vão direcionar suas escolhas.

– O primeiro deles é a passagem de ida e volta para o Brasil. Além de ser a parte mais cara da viagem, a partir dessa decisão você saberá exatamente quantos dias de duração terá sua viagem e por onde você chega e sai da Ásia. A maioria dos vôos que partem do Brasil para o Sudeste Asiático, chega e sai por Bangkok ou Hanói, os dois hubs aeroviários da região, e essa escolha vai determinar por onde começar sua jornada. Nesse trajeto, algumas pessoas aproveitam a escala na Europa, Dubai ou África do Sul pra conhecer outro destino e descansar um pouco antes de encarar o segundo (e também longo) vôo para a Ásia, mas essa decisão vai reduzir os dias disponíveis no seu destino final, portanto avalie suas prioridades.

Olhares pelo mundo hubs
Hanói e Bangkok, os dois hubs aeroviários do Sudeste Asiático

– Marque no seu calendário  datas comemorativas e eventos  com datas pré-definidas que exijam que você esteja em uma determinada cidade naqueles dias. Exemplos: Full Moon Party em Koh Paghan, comemoração do aniversário de casamento em Phi Phi, Réveillon em Bangkok, Festival de Lanternas em Chiang Mai, etc. Garanta os ingressos para os eventos que possam se esgotar.

No meu caso, comprei os tickets para o Yee Peng (Festival de Lanternas) antes mesmo da passagem aérea, porque era o pré-requisito numero 1 na tomada de  decisão sobre  ir ou não para a  Ásia. Depois comprei passagens com ida e volta por Bangkok por ter sido a opção de menor custo na época,   observando bem a  data dos vôo  para que houvessem alguns dias de intervalo entre nossa chegada em Bangkok  e nossa partida para o norte da Tailândia. Lembre-se que imprevistos acontecem, por isso programe-se sempre para chegar com  pelo menos um dia  de antecedência na cidade do evento.

olharespelomundo Yee Peng
Tickets para o Festival de Lanternas

7 – Monte o quebra-cabeça

Até agora você já tem definidos:

A) O que gostaria de fazer?

-os países a serem visitados,

-as cidades e atividades mais recomendadas em cada um deles ,

-o tempo recomendado e o custo médio para cada atividade.

B) O que dá pra fazer?

– ponto de chegada e partida na Ásia (passagens internacionais)

– o número de dias líquidos (lembre-se de descontar os dias de chegada e partida/fuso-horário/recuperação do jet lag)

– os eventos com data fixa (compre os tickets mais importantes)

– orçamento disponível (extremamente pessoal e variável)

Então é hora de iniciar a fase mais trabalhosa, na minha opinião: definir a sequência do roteiro, os meios de transporte de uma cidade para outra e começar cortar aquilo que não cabe. É trabalhoso porque nem sempre existe transporte entre cidades que você gostaria de fazer na sequência, especialmente de um país para o outro, e isso te obriga a incluir ou eliminar destinos, inverter a ordem das coisas ou remanejar a quantidade de dias em cada  lugar. Outras vezes o transporte existe mas o preço é salgado, ou  existem boas tarifas mas o trajeto te tomaria muito tempo no deslocamento. Essas decisões são muito pessoais  e vão variar conforme tempo e dinheiro disponível, perfil do viajante e prioridades.

olhares pelo mundo air asia low cost

Quando estava nessa fase do planejamento, li muitos relatos que nos desmotivaram a encarar transportes terrestres na Ásia, devido às condições das estradas, precariedade dos vagões, longa duração das viagens, questões de segurança e dificuldades nas fronteiras quando o ingresso no país se dava por meio terrestre. (Lembrem-se que eu estava viajando com um casal de tios! Não dava pra encarar qualquer opção.) Isso somado ao curto espaço de tempo que tínhamos para visitar 5 países, nos levou à decisão de fazer todos os trechos de avião. Se você fizer a mesma escolha, vai economizar boa parte  do trabalho de pesquisa nessa fase do planejamento, mas  essa decisão tem impacto no seu  custo final.

Quando for iniciar a pesquisa,  faça buscas do tipo: “como ir de Chiang Mai para Bagan?”, “mapa de trens na Tailândia”, “meios de transporte da Tailândia para Myanmar”, “vôos de Bangkok para Laos”, “Hanoi para Hoi An de trem ou avião?”, etc,  para cada trecho, entre cidades ou países.

Cabe ressaltar  que ao fazer alguns trajetos por terra, ficamos surpresos com a qualidade das estradas e organização dos meios de transporte,  em geral, muito superiores a países da América Latina, inclusive Brasil. Mas reafirmo aqui que fizemos apenas pequenos deslocamentos de carro ou van e portanto não posso opinar sobre a condição das estradas em percursos maiores. Pra quem tem bastante tempo ou orçamento muito apertado eu recomendaria sem receio algum que pelo menos parte dos traslados fosse feita por meios terrestres ou barco, tanto pela economia, quanto  pela experiência de vivenciar um pouco mais a realidade local e conhecer outras coisas pelo caminho. O leque de opções para transporte é bem variado e as passagens de trens e ônibus podem ser compradas no local sem grandes dificuldades (execto em datas comemorativas). 

Por outro lado, poupa-se muito, muito tempo viajando de avião e isso deve ser considerado na relação custo-beneficio. Seria simplesmente impossível fazer tudo que fizemos nesses 38 dias viajando de ônibus, trens ou barcos. Pra quem, como nós, quer priorizar o tempo disponível pra visitar o máximo de lugares possíveis, siga direto para os sites de companhias aéreas, que são muitas e funcionam super bem por lá. Com pouca bagagem é possível voar nas low costs por preços atrativos que, em alguns casos, chegam a ser mais baratas que  outros meios de transporte.

olhares pelo mundo aeroporto Bangkok (1)
Aeroporto internacional de Bangkok – Suvarnabhum

Existem  muitas empresas aéreas que operam no Sudeste Asiático, mas nenhuma delas opera todos os trechos. Sites como Skyscanner, Matrix, Kayak, Jetcost, etc podem ajudar a descobrir que empresas operam em cada trecho (existem também blogs com informações valiosas nesse sentido), mas na comparação de preços, vale  a pena pesquisar as tarifas diretamente nos sites de cada empresa.  Acabamos fechando a maior parte dos vôos pela Air Asia e Bangkok Airways, que estão entre as maiores  da região e cobrem a maior parte dos trechos e  horários que precisávamos.

Última dica importante nesse tópico: escolha vôos no início ou final do dia, pra que não se perca um dia inteiro do roteiro por conta de um vôo de 1h/2h no meio do dia (mesmo que isso signifique passagens um pouco mais caras).  Pelo mesmo motivo, para longos deslocamentos  de trem ou ônibus,  dê preferência ás viagens noturnas (e ainda economize 1 noite de  hospedagem).

olhares pelo mundo Laos  (2)
Travessia do Rio Mekong

8 -Seguro Viagem e Hospedagem

Com o roteiro já definido e datas de chegada e partida fechadas, contrate o seguro viagem. Sempre pesquiso pelo site Assistente de Viagem  que permite rápida cotação e comparação entre diversas seguradoras e planos. Observe que pequenas diferenças de preço, podem significar grandes diferenças de cobertura.

Ao fechar o seguro, atenção para preencher corretamente os dados pessoais, datas, e outras informações, pois erros de preenchimento podem implicar em falhas na cobertura,  e após emissão da apólice, nem sempre é possível modificá-la. Sugiro ainda que estenda seu seguro por pelo menos 1 dia além da data do regresso, para não ficar descoberto em caso de alterações de vôo, extravio de bagagem e outros imprevistos.

O segundo item dessa etapa de planejamento é a escolha de onde se hospedar. No nosso caso, já viajamos com todas as reservas antecipadas mas, com exceção das ilhas na Tailândia, onde a procura nessa época é imensa, nas demais localidades teria sido possível conseguir um hotel na chegada à cidade.

Então, o que recomendo? Pra quem tem tempo e quer desbravar cada ponto sem data certa, é tranquilo conseguir hospedagem in loco na maioria das cidades. Porém, se mais uma vez, a prioridade é otimizar o seu tempo, faça as reservas do Brasil e viaje com tudo fechadinho pra não perder horas procurando hotel na chegada em cada cidade. Na pior das hipóteses, vá reservando com antecedência ao longo da viagem. Eu tinha muito receio de que não tivéssemos fácil acesso à internet para pesquisas e reservas on-line ao longo do caminho, mas (para nossa alegria), todo hotel e restaurante tinha Wi-Fi! :-). Mas leve em consideração que isso também demanda tempo (valioso) de pesquisa e reduz o número de hotéis disponíveis pela proximidade das datas.

Por já termos as reservas antecipadas, muitas vezes chegavamos cedinho no hotel,  deixávamos a bagagem na recepção e   já saíamos pra cumprir o roteiro do dia antes do horário do check in. Essa estratégia inviável se tivéssemos que sair pela cidade com taxistas que mal falam inglês procurando por um lugar pra ficar. Outras vezes, chegávamos nas cidades tarde da noite, sonhando com um chuveiro e uma cama após um dia cansativo, e nada melhor nessas horas do que um destino já definido. Então repito,  reserve com antecedência ou tenha pelo menos as referências de onde pretende se hospedar pra não perder tempo na chegada a cada cidade.

ollhares pelo mundo hotel Bagan (305)

Usei para a pesquisa de hotéis  os sites do Tripadvisor, Agoda, Hotéis.com, Trivago, etc. Mas acabei fechando a maior parte das reservas pelo Booking, por oferecer os melhores preços, facilidade na busca e  cancelamento gratuito para vários estabelecimentos.

Fique atento ao  comparar os preços entre estes sites, pois alguns  deles não incluem taxas e impostos no valor anunciado,  e só é possível ver o valor total quando se chega na última etapa da reserva. É o que acontece por exemplo com o Agoda e Hotéis.com, e essa é, na minha opinião, outra vantagem do Booking em relação aos demais sites. Na época em que fiz essa comparação, os sites que pareciam oferecer um preço melhor para o mesmo hotel no Tripadvisor acabavam empatando ou ficando mais caros  Booking na grande maioria das veses. Então lá pelo 5 hotel, eu desisti de comparar todos os sites e passei a usar apenas Tripadvisor /Booking. Das 15 reservas de hospedagem, apenas uma foi feita pelo Agoda e outra diretamente pelo site do hotel. Em ambos os casos, não havia conseguido vagas pelo Booking no hotel pretendido, nem encontrei por lá outra opção com  custo-beneficio semelhante.

Então, pra sistematizar a busca por hotéis, sugiro:

– primeiro pesquise no Google: “onde se hospedar na cidade X” ou “melhor localização para hospedagem na cidade Y”, “em que região ficar na cidade Z”, etc.

– Use o Tripadvisor/Booking para ver comentários gerais, notas, fotos e avaliação dos usuários. O Tripadvisor também  é muito  útil para avaliar os pontos de interesse em cada cidade e, conforme seus objetivos, fica mais fácil decidir em que região se hospedar.

Utilize filtros de busca para definir localização, faixa de preço e outros aspectos que sejam do seu interesse (ar condicionado, piscina, café de manhã, Wi-Fi, etc).

– Dê preferência a reservas que permitam alteração/cancelamento gratuito, para evitar prejuízos em caso de mudanças de vôos ou outros imprevistos;

– Cumpra essa etapa em paralelo à anterior, definindo os hotéis para cada  trecho onde você já tenha definido data de chegada e partida pela compra de passagens. Isso facilita a organização e torna o processo menos repetitivo. Além disso, a viagem vai se tornando mais concreta à medida em que todas as reservas daquela etapa vão sendo definidas. (Faz um bem danado ver as coisas saindo do plano das ideias e viando realidade, não é mesmo?!)

9 – Organize o roteiro dia a dia

Ao término das etapas 7 e 8, o esqueleto seu roteiro está pronto. Datas de chegada e saída definidas, todas as passagens e hotéis reservados, seguro de saúde ok. (E a vontade de viajar transbordando!!). Então vamos rechear o esqueleto!

Tad Sae Falls Olhares pelo mundo (72).JPG
Luang Prabang, Laos

Da mesma forma que não é possível incluir todos os países e cidades desejadas em  nosso roteiro, também não é possível incluir nos dias disponíveis tudo o que há  para se fazer em cada destino. Portanto,   segue-se aqui a mesma lógica aplicada anteriormente: liste tudo que te interessa na cidade em questão, avalie o tempo gasto para cada atividade, incluindo deslocamentos, e então elimine o que não te interessa tanto ou não cabe nos dias planejados, lembrando sempre de deixar  folgas para possíveis imprevistos (atraso de vôos, questões climáticas, etc) e contabilize algum descanso entre as atividades para que seu roteiro seja factível.

Nessa etapa é interessante fazer contato com empresas locais e verificar a necessidade de contratação de passeios ou transfers com antecedência. Para nossa viagem reservei com antecedência: o transporte de Chiang Mai para o Festival de Lanternas (com a mesma empresa onde comprei os ingressos), o passeio de balão em Bagan e o cruzeiro pela Baía Halong. Os demais passeios fechamos sempre ao chegar em cada cidade, e na maioria das vezes não houve dificuldade, mas deixamos de fazer algumas coisas por não termos feito a reserva prévia, dentre elas: as fazendas de elefante mais recomendadas em Chiang Mai não tinham mais vagas para os dias que estávamos por lá;  os guias que nos recomendaram para o Angkor estavam indisponíveis e não consegui vaga no barco que pernoita em Maya Bay. Por isso, reserve tudo que seja imprescindível na sua viagem com antecedência.

olhares pelo mundo Halong Bay Paloma (41)
Cruzeiro por Halong Bay, norte do Vietnã

10 – Organize suas reservas

Bem, pode parecer óbvio, mas organizar todas essas reservas é parte essencial do seu planejamento. Hoje em dia, os smartphones permitem armazenamento de todas as informações, mas ter os dados em mãos pode fazer muita diferença. Por isso, organize uma pasta  em seu e-mail com todas as reservas,  tenha os aplicativos das empresas instalados para consulta rápida,  mas no caso da  Ásia, faça também impressão de todas as reservas, vouchers, seguro, telefones importantes e um resumo do seu roteiro, (sempre que possivel, na língua local, senão, em inglês.)

olhares pelo mundo organização de roteiros (2)
Reservas e vouchers impressos e organizados cronologicamente

Pra quem acha um desperdício de papel e tempo, considere as seguintes situações hipotéticas (mas bem possíveis):

-Você passou o dia em um passeio e vai direto para o aeroporto com o tempo cronometrado, na hora do check-in seu celular está sem bateria e por algum motivo não localizam sua reserva pelo passaporte (aconteceu com a gente no Vietnã);

– Você  mostra um mapa para o taxista, apontando a localização do hotel, e ele não lê uma única palavra no nosso alfabeto no mapa.  (Aconteceu em vários lugares, mas especialmente em Myanmar);

– Ou ainda pior, você perde ou quebra seu celular durante a viagem. (O meu caiu e quebrou apenas a câmera, poderia ter sido pior);

– Você passa mal ou sofre um acidente e quem te socorre encontra (ou não) o voucher do seguro saúde e o telefone da embaixada entre seus documentos.

Esses são apenas alguns exemplos para justificar o “backup” impresso de todas as informações valiosas. Com tudo em mãos, organize a papelada ordem cronológica, na sequência em que serão utilizadas as reservas aéreas, transfers, hotéis e tickets, e separe cada país em um bloquinho de fácil identificação. Use um marca texto para destacar os dados mais importantes como datas e horários, pois no meio de tantos papéis é fácil se confundir. Lembre-se de imprimir também uma cópia do seu roteiro com todas essas informações resumidas, para verificação rápida de datas e horários, e nunca, mas nunca mesmo, coloque estes papeis em uma mala que será despachada. Mantenha-os sempre em sua bolsa de mão durante os deslocamentos e  guardados em segurança durante as hospedagens.

olhares pelo mundo Reservas (2)
Vôos, hotéis, traslados e tickets separados por país, na sequência do roteiro

Depois de tudo organizado, peça ajuda de alguém para conferir tudo se encaixa: verifique se a data e horário dos vôos estão  conforme o planejamento,  confirme se as datas de entrada e saída nos hotéis estão de acordo com a chegada e saída de cada cidade, se os tickets estão com a data e nomes  corretos, confira o número de pessoas, etc. E se estiver tudo ok, parabéns! Seu roteiro está pronto!!

Mas o trabalho ainda não terminou… Hora de pensar na mala, vistos, moeda,  kit de primeiros socorros…  esse tema fica pra depois! Na próxima postagem vou mostrar como ficou o nosso roteiro pra começarmos nossa aventura pelo Sudeste Asiático.

E então, as dicas foram úteis? Tem sugestões para organização de roteiros? Deixe seu comentário! Vou adorar aprender novas estratégias ou saber que ajudei na sua viagem . Grande abraço, e até a próxima página!

OBS: O Blog não tem nenhuma relação comercial ou parceria com os sites citados (mas adoraria ter! Rs! Aceito dicas para blogueira de primeira viagem!). Todos os relatos foram baseados em minha experiência e opinião pessoal.

OBS 2:  Após algum tempo de existência do Blog,  estabelecemos parceria com duas  empresas citadas (Booking e  Assistente de Viagem) acima por conhecer bem a excelência do serviço que prestam. Assim, ao reservar seu hotel ou seu seguro viagem pelo link do blog, você paga as mesmas tarifas, mas o blog recebe um pequeno valor pra que possamos mantê-lo. 🙂

*Fotos:  Fernanda Carvalho